terça-feira, 24 de agosto de 2010

gestos sem pudor

1.
hoje fingi que estava vivo
lancei o medo às urtigas
os preconceitos foram pelo cano
e o polícia foi atrás
nem teve tempo para me apanhar
e matei o desejo
e acordei 
e o mundo podre tinha acabado


2.
queria viver assim
longe de conceitos estúpidos
de gente obtusa
que casa e descasa
a vergonha que lhes falta



3.
o diabo naquela esquina
o desejo de viver melhor
mesmo esquecido



4.
os gestos que te faltam
inteligência escassa
talvez um profundo mal-estar
consciência pesada
apenas um anjo
apenas ar
sem me castigar
mais dia nenhum





Março de 2010

1 comentário:

@lexis disse...

Não fingimos todos estar vivos em prol de alguma coisa que achamos "ser melhor do que só isto?"